Netflix – I am Mother

Já tinha visto a chamada do filme I am Mother no catálogo da Netflix. Cheguei a comentar com o Fernando Dutra, um colega de trabalho, sobre a ideia interessante do filme e assistimos ao trailer. Chegamos a especular se o trailer mostra demais sobre a história – coisa que tem acontecido em alguns filmes e que, para mim, atrapalha demais a experiência de curtir a história. Falamos um pouco mais sobre o filme, mas ele acabou caindo no esquecimento. Veja o trailer do filme:

Passado um mês do dia que vi o trailer, estava na casa do Thiago Matos – um grande amigo – e decidimos ver esse filme porque apareceu por coincidência no catálogo da Netflix. Foi um acaso (da IA do Netflix – risos). Logo estávamos completamente vidrados. 

I am mother - Netflix - Canto do Gargula
I am mother – Netflix

O filme nos mostra uma menina sendo criada por um robô em uma estrutura parecida com uma base ou um bunker cheio de tecnologia e recursos para se manterem vivos. Vemos então a criança crescer e se tornar uma mulher jovem muito bem educada e com habilidades em várias áreas distintas bem como artes e balé. No filme, a menina é chamada apenas de Filha e o robô de Mãe e seguiremos com essa designação por ser realmente a única que temos para denominá-las.

A relação de Filha e Mãe é completa e em nada difere do relacionamento que conhecemos entre uma mãe e sua filha. Carinho e cuidados assim como conversas e tarefas caseiras são divididas entre ambas, mas sempre de forma a permitir o aprimoramento da Filha e lembrando ao espectador sempre que elas estão ali com a missão de repovoamento humano uma vez que a espécie estava extinta após um evento catastrófico não bem explicado.

I am mother - Netflix - Canto do Gargula
Mão e Filha – Netflix

A vida seguia muito bem até o surgimento de uma mulher mais velha na porta da base trazendo vários questionamentos e problemas à pacata vida de Filha e Mãe. Neste ponto é impossível não criar um paralelo com o mito da caverna de Platão – é importante perceber que o filme trabalhará questões filosóficas interessantes. O mundo da Filha se amplia quando o mundo externo se mostra habitável mesmo que perigoso.

Deste ponto em diante, o enredo nos coloca entre meias verdades, mentiras e omissões, sempre nos deixando como referência a visão inocente e limitada da Filha. 

I am mother - Netflix - Canto do Gargula
Filha – Netflix

As cenas que se seguem te jogam num enredo bem estruturado de suspense com muitas pitadas de terror psicológico nos deixando sem saber qual o desenrolar exato da cena seguinte. Quem está falando a verdade? O que realmente aconteceu? Quem mais ainda vive? Quais os planos da Mãe?

Seguimos recebendo pequenas doses de informação da mesma forma que a Filha e vamos criando um panorama de toda a trama através da sua perspectiva. 

Inteligências Artificiais (sigla IA) sempre nos farão refletir sobre nossa existência como espécie e este filme trata isso de uma maneira muito interessante mesmo. A tecnologia que nós criamos pode nos superar como espécie e ir além do ponto em que chegamos? A tecnologia consegue sentir como um humano? Seriam esses sentimentos autênticos, válidos nas relações se isso for possível?

Ao final, estávamos ambos atônitos. Ficamos ligando todos os pontos e percebermos que em momento algum fomos realmente enganados. As verdades sempre estiveram ali, na cara do espectador, só não estavam caracterizadas como respostas.

O único conselho válido para vocês: fiquem atentos aos detalhes, pois eles serão fontes de questionamentos e respostas. Thiago e eu, em alguns momentos, estávamos elucubrando e refletindo sobre possíveis desfechos e isso mostra o quanto o filme envolve o espectador.

I am mother - Netflix - Canto do Gargula
Mãe – Netflix

O filme não é propriamente de terror, mas o utiliza em vários momentos, trabalhando o psicológico e nos colocando o tempo todos nos olhos da Filha.

É uma ficção científica muito bem trabalhada que garante o divertimento. Vale ver sim e perceber como o terror psicológico pode ser uma ferramenta muito eficiente para gerar ambientação.

Créditos:
Diretor: Grant Sputore
Roteiristas: Michael Lloyd Green e Grant Sputore
Elenco: Luke Hawker, Rose Byrne e Maddie Lenton

Se você curtiu esta postagem, clique no botão curtir e deixe um comentário abaixo para que possamos trocar mais ideias!

6 comentários em “Netflix – I am Mother

Adicione o seu

  1. Chamo a atenção para Moon/Lunar, com Sam Rockwell, que tbm vem com a ideia do personagem solitário com um único robô por companhia, que tem um segredo sombrio na jogada.

    Isso não desmerece I, Mother, que vi e tbm gostei bastante. Recomendo ambos.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: