Brightburn – Filho das Trevas

Para quem não viu o filme

Vou imaginar que você nunca ouviu falar de Brightburn – Filho das Trevas. Partindo dessa ideia, vou colocar o trailer dele abaixo e peço que veja por favor. 

Se você pulou o trailer volte e veja. Esse é o segundo aviso que lhe dou, então a partir de agora siga por sua conta e risco. 

Não vejo como spoiler qualquer comentário a seguir porque o trailer já mostrava muitas das cenas bizarras de violência do filme. Novamente peço que veja o filme antes de continuar. Abaixo teremos o pôster oficial do filme. Siga, se quiser, por esta resenha e este foi o último aviso de que talvez o texto a seguir possa conter algum comentário a mais sobre o longa o qual pode ser considerado um spoiler.

Brightburn - Filme - Canto do Gárgula
Brightburn – Filme

Espero que tenha visto o filme.

Resenha

Brightburn – Filho das Trevas veio com a premissa simples de mostrar o que aconteceria se um bebê alienígena caísse na Terra e fosse criado por humanos (basicamente a história do Superman). No entanto, ao invés de se tornar uma boa pessoa, criado por valores humanistas sinceros e desprendidos, ele se tornasse uma pessoa muito ruim, que se percebe acima de qualquer autoridade, utilizando seu poder para fazer o que bem entender. 

Eu não esperava muito do filme, mas ele surpreende. Não por qualquer mudança na premissa básica, pois esta se confirma, mas sim em como é executada a sua realização. 

Ao deturpar a história do Superman, o filme nos força a reflexão sobre o que fazer com alguém acima de qualquer autoridade, punição ou julgamento. Obviamente é uma reflexão extrema, junto a qual poderíamos traçar paralelos com figuras poderosas da sociedade humana atual, que conseguem se manter à par das leis vigentes por terem dinheiro e poder político ou mesmo pessoas desequilibradas, descoladas da moral vigente e, por consequência, capazes de cometer atos atrozes. 

Brightburn - Filme - Canto do Gárgula
Brightburn – Filme

Refletindo sobre o poder sem limites

Com certeza por utilizar o terror nos expõe ao exagero sádico que nos força a indagação sobre o que faríamos em igual situação? Nos vemos frágeis, impotentes e insignificantes. Nossas ações contra tais pessoas não surtem efeito e acabamos nos vendo em uma posição incômoda.

Sempre ouvimos frases relacionadas a quantidade de poder que alguém possua, bem como suas atitudes com relação ao uso deste poder. Por exemplo:

“Dê poder ao homem, e verá quem ele é”.

Maquiavel

Penso então que o espírito humano é basicamente corruptível principalmente na realização de que é poderoso. Talvez daí saia mais uma reflexão sobre nossos próprios limites e os limites do próximo, elementos chaves do respeito. Vejo que o excesso de poder tende a corromper ou ao menos tenta quem o possui. 

Volto ao filme, objeto desta análise, e percebo, uma vez mais o gênero do horror, silenciosamente e sem alarde, nos colocando para pensar. Como isso é bom! 

Desta vez o S do Superman não queria dizer esperança, mas sim um B de brutalidade.

Vejam o filme ou, se já viram, deixem suas opiniões abaixo nos comentários. Pensar é trocar, sempre. Precisamos muito disso!

Ficha do Filme

Direção: David Yarovesky
Roteiro: Brian GunnMark Gunn
Elenco: Elizabeth BanksDavid DenmanJackson A. Dunn
Ano de Lançamento: 2019

Se você curtiu esta postagem, clique no botão curtir e deixe um comentário abaixo para que possamos trocar mais ideias!

2 comentários em “Brightburn – Filho das Trevas

Adicione o seu

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: