Canto do King: Christine

Coluna Canto do King - Larissa Prado - Canto do Gárgula
Coluna Canto do King – Larissa Prado

O poder de uma obsessão

A análise de hoje do Canto do King será do livro Christine, publicado em 1983. Assim como outras obras, Christine foi adaptado para o cinema sob a direção de John Carpenter (O Enigma de outro mundo). Porém, o filme fez uma abordagem superficial deixando a desejar em aspectos essenciais da história.

Christine - Stephen King - Editora Suma - Larissa Prado - Coluna Canto do King - Canto do Gárgula
Christine – Stephen King – Editora Suma

King traz em suas histórias personagens que são obsessivos por algo ou possuídos por sentimentos sombrios. Em Christine, o principal personagem é um carro modelo Plymouth Fury 58 de um belo vermelho vibrante. Aficionados por carros entenderão o sentimento despertado em Arnie ao ver o Fury pela primeira vez.

A publicação é da Editora Suma e a tradução fica ao encargo de Louisa Ibañez.

Uma história sobre maldição  

O enredo do livro gira em torna de três personagens: Arnold “Arnie” Cuningham, seu melhor amigo Dennis Guilder e claro Christine, o Fury 58. Arnie compra o carro de um estranho homem, Roland D. LeBay. Além dos três protagonistas, conhecemos Leigh Cabot. Ela é uma bonita e novata do colégio, que será o elemento chave para abalar a amizade entre Arnie e Dennis.

A história de Christine não é apenas sobre a obsessão de Arnie pelo seu novo carro e a transformação sobrenatural pela qual passa. Há aspectos obscuros que King deixa entrever.

Diferente de outras histórias, em Christine o autor segue um ritmo mais lento, dando pistas de que há algo estranho com o carro de Arnie. A suposição de que um carro tenha vida própria é por si só inacreditável. King consegue tornar o absurdo em algo crível e começamos a temer Christine como se teme um personagem psicopata ou um espectro diabólico.

A amizade entre opostos

A primeira parte do livro é narrada pela voz e visão de Dennis Guilder. Ele nos dá pistas de como seu amigo Arnie sempre fora visto como um perdedor. Humilhado desde a infância e com problemas de acne que o tornavam desagradável esteticamente.

Dennis é o oposto de Arnie. Sua família é bem entrosada enquanto os pais de Arnie o controlam e manipulam o tempo. Eles exigem o tempo todo que ele seja bom com as notas e entre em uma boa universidade. Ele joga futebol americano e se dá bem com as garotas. Arnie ao lado de Dennis é sempre a figura do perdedor, mas os dois se amam, pois, é o único amigo que Arnie possui. Dennis passou boa parte da infância e da adolescência salvando o amigo dos constantes episódios de humilhação.

Com a entrada de Christine na história a amizade de tantos anos entra em declínio, bem como, a personalidade pacata, dócil e introspectiva de Arnie.

Conhecendo Christine

Arnie vê o carro enquanto volta do colégio. Dennis que está dirigindo-o e ele implora para Dennis parar o carro e vai ver Christine. Ela não passa de uma sucata estacionada no quintal de um homem velho.

Através da visão de Dennis podemos notar o cintilar estranho nos olhos de Arnie quando ele toca a lataria de Christine. Ele compara aquele tipo de olhar que vê no amigo como se ele estivesse vendo o primeiro amor da sua vida, não um carro, mas uma garota.

Nesse momento conhecemos Roland D. LeBay em vida. Ele está usando um colete ortopédico encardido e fétido, um sotaque caipira e bonachão. Envolto em xingamentos e mau humor, um velho solitário e ex soldado da guerra.

Dennis não gosta de Roland D. LeBay. Ele vende o carro por um preço muito baixo à Arnie, como se quisesse se livrar dele, mas há uma estranheza naquela relação, como se Roland LeBay estivesse apenas esperando o comprador certo para sua Christine e Arnie tivesse sido atraído até lá. Os dois fecham negócio e a partir de então a vida de Arnie e sua família transforma, no mau sentido.

Christine, um carro vivo

O primeiro elemento de estranheza e sobrenatural é percebido por nós, leitores, quando Christine passa a se restaurar sozinha, sem o trabalho de Arnie. Como um bom mecânico ele a leva para garagem de Will Darnell (Faça você mesmo) e passa a trabalhar nela, incansavelmente. Mesmo que Arnie passe a maior parte do tempo mexendo em Christine, o dono da garagem nota como ela está se tornando nova rápido.

O próprio Arnie sabe disso, mas ignora dizendo a todos que tem se empenhado muito em deixá-la restaurada. O carro é motivo de desacordo em casa. Passa a responder e enfrentar os pais, principalmente a controladora mãe Regina. Sua acne desaparece e ele passa a se vestir diferente, falar e se locomover de uma nova maneira.

O velho Arnie desaparece sobre essa nova versão que cospe palavrões e é debochado. Até mesmo sua aparência sofre uma inversão. Dennis repara ao olhar para o amigo como seu rosto está envelhecido e de alguma forma não parece mais Arnie e sim, Roland LeBay, que morreu logo depois que se livrou de Christine.

Uma relação simbiótica

O que notamos a partir de então é a relação cada vez mais simbiótica entre Arnie e Christine. Quando está atrás de seu volante ele sente-se capaz de tudo, não há medo ou humilhações. Arnie não percebe sua total devoção e obsessão com o carro. Isso afasta de todos à sua volta, incluindo a bela Leigh Cabot, a garota mais linda da escola, com quem estava saindo e namorando.

Na segunda parte do livro temos um narrador onisciente. Depois que Dennis sofre um terrível acidente jogando futebol americano ele precisa ficar longos meses no hospital.

O carro assassino

Nessa parte do livro as coisas se tornam obscuras de uma maneira típica do universo kingniano. Começa a série de assassinatos inexplicáveis por ataque de um carro. As vítimas são todas da gangue de Buddy Repperton, um antigo valentão da escola que batia e acabou destruindo Christine por vingança contra Arnie. Membro por membro da gangue sofrem mortes brutais nas quais um carro sempre está envolvido. O que chama a atenção de Junkins, detetive da polícia local.

Aqueles que cercam Arnie, como seu pai, Dennis e Leigh passam a desconfiar que o garoto esteja envolvido de alguma forma nessas mortes. Mesmo possuindo álibis convincentes ninguém consegue falar disso em voz alta.

O desconforto em relação a Arnie só cresce em torno de todos. Ele está cada dia mais irreconhecível e usando colete ortopédico depois de algum jeito misterioso que deu nas costas ao consertar Christine. Porém, este colete Roland LeBay também usava.

A transformação de Arnie

Quando Arnie vai visitar Dennis no dia de ação de graças no hospital, o amigo nota sua transformação drástica e pede para ele assinar novamente seu gesso da perna quebrada. Arnie assina e para surpresa de Dennis quando compara mais tarde com a assinatura feita há algumas semanas na outra perna, não é a mesma, Arnie está possuído por algo e Dennis acaba sempre lembrando-se do antigo dono de Christine, o velho mal encarado e estranho, Roland LeBay.

O que acontece daí por diante é o total desmoronamento das relações de Arnie com todos, inclusive consigo mesmo. Ele próprio não consegue mais se reconhecer quando está longe do seu carro.

As mortes continuam e Christine, autogovernada, mata o detetive Junkins e o dono da garagem onde Arnie a estacionava, Will Darnell. Primeiramente porque estava desconfiando e chegando a certas conclusões perigosas sobre os acidentes. Segundo por tê-la visto chegar sozinha na garagem. Aqui vemos como King constrói aqui uma atmosfera macabra e sobrenatural acerca de um carro amaldiçoado.

Há dois caminhos que podemos seguir a partir do momento que Dennis unido à Leigh passam a investigar o passado de Christine e Roland LeBay. O carro está sendo amaldiçoado pelo espírito do antigo dono ou havia um espírito no carro que possui quem o detém?

O passado de LeBay

A filha de LeBay morreu engasgada com um hambúrguer no carro. Ele não fez nada para ajudá-la enquanto sua mulher aparentemente se matou dentro do carro com monóxido de carbono.

As duas mortes seriam uma forma de sacrifício em que LeBay conecta seu espírito com a máquina mesmo após da morte? LeBay era um homem ruim ou foi possuído por algo assim como Arnie?

Christine e a “Coisa Ruim”

Aqui entra o elemento “Coisa Ruim” presente nas histórias de King que alteram completamente o rumo da vida dos personagens afetados por Ela. Em alguns momentos percebemos que Christine, independente de seus donos, age por si própria. É como se possuísse artimanhas, sentimentos diabólicos que se fundem à mente daquele que a controla.

É um objeto amaldiçoado mesmo antes de ter sido de Roland LeBay. Porém, o espírito do homem está possuindo Arnie, fazendo-o se tornar uma cópia do que foi. Para Christine ter tal poder precisaria de mentes como a de LeBay e a de Arnie, enfraquecidas de alguma forma.

O irmão de Roland LeBay, George, ao conversar com Dennis enquanto o mesmo está investigando, relata que o irmão nunca foi um bom homem. Ele era violento e briguento, e foi expulso do exército por isso. Com um gênio como o de Roland LeBay somado ao poder diabólico de Christine nos dá o ideia do que é a maldição do carro.

Arnie por ser um rapaz vulnerável e humilhado a vida toda, ao entrar em contato com tal poder foi rapidamente envolvido pela obsessão. Ele ganha uma sede de poder e de vingança por todos que o humilharam.

Objetos amaldiçoados

O carro derrama bastante sangue e faz uma tremenda carnificina antes de ser vencida por Dennis Guilder e Leigh Cabot ao fim do livro. Dennis arquiteta a ideia e acaba contratando um caminhão que tira entulhos do esgoto, o dono da máquina a chama de Petúnia. Com ajuda de Leigh ele atraí Arnie, já completamente transformado, para antiga garagem de Will Darnell, e lá acontece o desfecho do livro.

Após ver ambos juntos, Dennis e Leigh, Arnie chega ao ápice de sua raiva. Ele se ausenta-se da cidade com a mãe, driblando-a (algo que o antigo Arnie jamais faria). Isso para deixar Christine fazer seu trabalho sujo de eliminar os “bostas” traidores: Dennis e Leigh. Seriam suas últimas vítimas.

Na garagem, o plano de Dennis e Leigh está correndo bem até o momento que Christine se esconde sem que eles a percebam. Leigh corre para fechar a porta e o Fury 58 vermelho acende seus faróis (que parecem olhos diabólicos). Ele então passa a tentar matar Leigh a qualquer custo.

Um fim aterrorizante

O mais importante no desenrolar dessas últimas cenas são todas visões que Dennis e Leigh tem do carro. Ele é controlado por um cadáver em decomposição, o próprio Roland LeBay. O cadáver tem ao seu lado o corpo de Michael, pai de Arnie, morto por monóxido de carbono.

As descrições macabras das visões feitas por King é o ponto alto do horror na história. Christine traz dentro de si todos aqueles que já matou, incluindo a filha e a mulher de LeBay, mortas nos anos 50.

Após uma luta arriscada contra Christine, Dennis consegue fazer Petúnia funcionar. Ele esmaga o Fury 58 definitivamente, mesmo que ela ainda dê sinais que está se restaurando. Ele continua passando por cima do carro inúmeras vezes enquanto a lataria se retorce “parece o grito de uma mulher” como descreve Leigh em total assombro.

Eles conseguem derrotar Christine na garagem de Darnell, porém, como vemos no Epílogo, Christine nunca morre, o que está nela jamais morrerá. Dennis nos conta o que aconteceu após o confronto com Christine, passados 4 anos. Ele e Leigh seguiram rumos diferentes, ela se casou e mudou, porém, eles trocam cartões postais.

É o fim da maldição?

Arnie morreu em um acidente com a mãe enquanto iam para a faculdade que ele havia escolhido no mesmo momento em que derrotavam Christine. O acidente de Arnie, segundo a polícia, foi misterioso como se o furgão em que estavam tivesse sido esmagado por todos lados. Isso que nos mostra a conexão entre Christine e Arnie, um só poderia viver com o outro.

Larissa Prado - Escritora - Canto do Gárgula
Larissa Prado – Escritora

No Epílogo, Dennis deixa nas entrelinhas que está preocupado. Algumas notícias que andou lendo nas páginas policiais falam sobre a morte de um homem por um carro desgovernado. Mesmo depois que Christine foi esmagada e compactada em um pequeno bloco de metal retorcido, há forças que nunca dormem.

O fim é inconcluso deixando a tensão que guiou toda história pairando no ar. Ficamos uma solução definitiva, algo que King faz bem em seus desfechos. 

Entre os livros mais assustadores

E o que vocês acharam de Christine? Teriam coragem de dar uma voltinha no Fury de Arnie? Espero vocês na próxima segunda-feira. Vamos conhecer a cidade de Desespero e seus mistérios, uma obra que assim como Christine está entre as mais assustadoras envolvendo maldições e personagens possuídos.

Agora adquira o seu!

Suas compras através de nossos links ajudam a manter o blog.
Basta clicar nas imagens abaixo e comprar na loja virtual!

Quer comprar outros livros de Stephen King?
Clique aqui para ver seus outros títulos!

Quer comprar outros livros de Larissa Prado?
Clique aqui para ver seus outros títulos!

Quer comprar outros títulos da Editora Suma?
Clique aqui para ver outros títulos dessa editora!

Se você curtiu esta postagem, clique no botão curtir e deixe um comentário abaixo para que possamos trocar mais ideias!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: