Alvorada em Almagesto, de Teresa P. Mira de Echeverría

Um livro muito aguardado

Um livro que eu estava aguardando desde seu anúncio era Alvorada em Almagesto, de Teresa P. Mira de Echeverría. Conheci a autora através do conto A sua imagem (leia nossa resenha aqui) e fiquei absurdamente curioso com a sua prosa. Primeiramente, aconselho a leitura de ambos, tanto o conto, quanto o romance.

Alvorada em Almagesto - Teresa P Mira de Echeverria - Monomito Editorial

O lançamento da Monomito Editorial de 2021 traz ainda o prefácio de Fábio Fernandes, que apresenta com excelência não apenas o livro, mas também a autora. Sou obrigado a concordar com ele quando diz que quem lê Teresa, acaba amigo dela. Sua escrita tem este poder acolhedor de trazer para perto o leitor. A tradução da obra foi feita por Toni Moraes.

Seja bem vindo à Almagesto

Você que chega pela primeira vez ao texto de Teresa P. Mira de Echeverría, prepare-se para encontrar o estranho e o insólito. Dona de uma bagagem incrível de referências, a autora irá lhe levar para os confins do espaço, onde a estação-planeta Almagesto existe em seus dias infinitos de muitos sóis. Um lugar singular e único de muitas formas.

Nós vamos conhecer a estação através da vida de Alastair Weller, um homem muito inteligente, que trabalha como uma espécie de vigia de seres especiais. Estas pessoas, se é que podemos as rotular de alguma forma, vivem enclausuradas em Almagesto, mas não somente lá. Sua condição de aprisionamento dá também aos corpos revividos onde residem. Sim, eles vivem em corpos que não são os deles. Quem são eles ou mesmo de onde vieram, são perguntas com respostas nem sempre exatas, portanto permanecem envoltas em mistério. Do pouco que se sabe, estes seres encarcerados são capazes de controlar estrelas.

O poder inquietante da literatura

Com excelência, Teresa nos leva por inúmeras reflexões acerca de liberdade, autoconhecimento, aceitação e respeito, para elencar algumas. Some a isso uma verdadeira enxurrada de possibilidades de existência e, facilmente faremos paralelos com as discussões de gênero, tão importantes e atuais. Os corpos dos Sóis se mostram cascas impossíveis de contê-los em sua maravilha e grandiosidade. Uma metáfora aterradora sobre uma existência moldada e limitada.

Podemos identificar também uma crítica social importante, como a parábola do elefante acorrentado, um animal absurdamente poderoso, mas ignorante de sua real capacidade. Quando vamos perceber que somos absolutamente mais fortes do que as correntes morais, éticas, sociais e políticas que nos prendem? É inegavelmente fantástico extrair de um texto tantos pensamentos e reflexões.

Ademais, garanto que o enredo ainda lhe trará outras tantas camadas, levando o leitor a uma autoavaliação durante a leitura. Esta reflexão não é forçada, apenas está ali para você se arrumar no assento de sua própria vida, que se torna de certa forma, incômodo. Por isso digo que é absolutamente genial o poder de narrativa da autora. Uma história que se permite, antes de tudo, ser livre em essência, não aceitando qualquer limite, capaz de elevar a mente ao infinito. Se isso por si só já é assustador, dada a amplitude que pode chegar, é igualmente lindo e a autora trabalha o sublime através do conceito de ser.

Inegavelmente, o infinito reside em nós mesmos, ainda que desconhecido. Teresa apenas nos mostra nossa clausura, seja pelas amarras da ignorância, da hipocrisia ou do medo. Cabe ao leitor digerir esta descoberta, como melhor lhe vier.

Considerações finais

Em suma, ler Teresa é uma experiência única. Não posso deixar de notar as influências maravilhosas de Octavia E. Butler sobre a autora. Quem leu Despertar (leia nossa resenha aqui), perceberá os ecos de Butler na escritora argentina, por exemplo.

Teresa P Mira de Echeverría - Escritora
Teresa P. Mira de Echeverría

Uma autora que devemos certamente acompanhar. Uma mente incrível inquieta que nos tira da zona de conforto. Alguns autores têm esta capacidade de mudar seus leitores e certamente Teresa P. Mira de Echeverría é uma representante deste panteão.

Parabéns a Monomito Editorial por presentear o público brasileiro com uma escritora de tal calibre. Vou terminando esta resenha pensando apenas em quando leremos mais obras dela. Uma mente que se inquieta depois de uma leitura assim, sente fome de mais histórias. Estou certamente faminto de reflexão. 

Você já leu algo que te fez querer mais e mais? Me conte nos comentários!

Se você curtiu esta postagem, clique no botão curtir e deixe um comentário abaixo para que possamos trocar mais ideias!

Canto do Gárgula - Catarse
SEJA UM PATROCINADOR DO CANAL!

2 comentários em “Alvorada em Almagesto, de Teresa P. Mira de Echeverría

Adicione o seu

    1. Meu querido amigo, um livro especial. Uma ode à liberdade de ser quem se é verdadeiramente. Teresa P. Mira de Echeverria é um nome que temos obrigação de acompanhar pois sua mente trabalha em favor da reflexão contínua. Leia!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: