Demon Ruchu, o demônio do movimento, de Stefan Grabiński

Um autor polonês famoso 

Quando foi anunciado o livro Demon Ruchu, o demônio do movimento, que traz as histórias de Stefan Grabiński, fiquei animado. Stefan é um famoso escritor polonês, muitas vezes citado como o Poe ou o Lovecraft polonês. 

Demon Ruchu - O Demônio do Movimento - Stefan Grabiński - Editora Laboralivros - Canto do Gárgula

Publicado pelas Editoras Urso e Laboralivros, a obra tem o apoio da Editora Clepsidra, o que obviamente chama atenção. Na tradução, por sinal esplendorosa, temos as assinaturas de Milena Woitovicz Cardoso e Matheus Moreira Pena

Um livro assim precisa de paratextos

Quem nos acompanha sabe de nossa paixão pelos paratextos e neste livro eles seriam importantes demais. Estamos falando de um autor polonês e ter acesso à literatura polonesa antiga de horror é um prêmio único. 

Somos então premiados pelo texto de apresentação/introdução ao autor O demônio do apressamento, de Piotr Kilanowski. Após a leitura dos textos, concordo com ele sobre a diferença que o autor possui de Poe e Lovecraft, escritores aos quais ele é tão comparado, apesar de não ser bem assim. 

Além deste texto, temos o ensaio Chuva, vapor, velocidade – O peculiar mundo dos trens em Stefan Grabiński, assinado pelo professor, pesquisador, tradutor e escritor Alcebiades Diniz. Outro texto incrível que situa o leitor no maravilhamento das linhas de trem no imaginário da época. 

Os contos que andam em trilhos sinistros

Entretanto, antes mesmo de falar de seus contos, prefiro comentar sobre Stephen Grabiński em si. Conforme comentei acima, concordo que Grabiński não se assemelha tanto a Edgar Allan Poe ou H.P. Lovecraft. Na minha opinião, sua prosa traz um fantástico muito mais próximo de Arthur Machen e Algernon Blackwood, no que tange um mundo sobrenatural apartado do nosso por um véu. 

Stefan Grabiński - Escritor
Stefan Grabiński

Seu horror fantástico é moldado pela tecnologia dos trens e de como ela mexeu no imaginário de sua época. Uma tecnologia que hoje sequer lembramos, foi o terreno fértil de inúmeros contos maravilhosos, cada qual trazendo sua estranheza e peculiaridades. Os trens de Grabiński andam por trilhos que somem pelo horizonte, adentrando por uma dimensão terrível e fantástica, cheia de segredos e perigos. 

Diferente de muitas das minhas resenhas, opto por não escolher os contos que mais gostei. Meu conselho aqui é para que vocês leiam e sonhem, como eu fiz. Melhor do que elencar os melhores, me vi observando um mundo fantástico que certamente precisa ser desvendado. Uma viagem pelo imaginário de um homem que se deslumbrou por uma tecnologia. Isso por si só é o maior prêmio que qualquer leitor pode ganhar. 

Considerações finais 

Em suma, é fantástico perceber como uma tecnologia, ao surgir, mexe com a mente daqueles que tiveram a oportunidade de presenciar aquele nascimento. 

Ademais, parabéns às editoras por optarem por trazer um autor que, se não fossem pelas editoras independentes, nós nunca conheceríamos. Vocês são corajosos e magníficos. Por isso mesmo tem o nosso apoio incondicional. 

Conheciam este livro? Nos contem nos comentários…

Se você curtiu esta postagem, clique no botão curtir e deixe um comentário abaixo para que possamos trocar mais ideias!

Canto do Gárgula - Catarse
SEJA UM PATROCINADOR DO CANAL!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: